Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2020 Número 1634 Ano 88

Carta ao Evangelizador Espírita

fevereiro/2020

Caro Evangelizador,

Tu que foste convidado a trabalhar na Seara do Mestre, em um campo especialmente fértil, aproveita a oportunidade concedida e abraça a tarefa com todas as tuas forças.

Se és trabalhador da primeira hora, se estás há longo tempo dedicando-te ao trabalho, aproveita a experiência e o conhecimento adquiridos e auxilia aqueles que chegam agora, trazendo ânimo e disposição, mas que não dispensam o amparo do braço amigo que direciona, auxilia, acompanha e corrige, para que não se lhes desperdice o potencial e a energia, evitando que possíveis adversidades, muitas vezes fruto da inexperiência ou do afã de breves resultados, transformem-se em incompreensão, desânimo e, até mesmo, deserção da tarefa.

Mantém-te vigilante para que, a pretexto do cansaço ou da longa folha de serviços prestados, alimentes a ilusão de que tua colaboração não mais se faça necessária, de que não tens nada a oferecer, de que os tempos são outros nos quais não mais te encaixas. Se mantiveres a disposição ao aprendizado e ao trabalho, assim como o espírito de equipe, teu exemplo e teus conhecimentos serão de grande valia para o grupo em que te encontres.

É necessário, sim, dar espaço para que novos membros integrem-se à equipe, contribuindo com o frescor de ânimo e de ideias, garantindo a continuidade da tarefa para tempos futuros, contudo, a temperança e a experiência dos que estão há mais tempo deverão servir como fiel da balança, assegurando que as mudanças, sempre necessárias, ocorram em processo tranquilo de crescimento e transformação.

Por outro lado, se és trabalhador da última hora, que aguarda ansiosamente a possibilidade de ingressar nas lides da Evangelização, utiliza a energia, a vontade, a alegria de iniciar na tarefa, dispondo-te a auxiliar onde tua contribuição for solicitada, onde possas ser útil, levando contigo o espírito de colaboração em contraposição à tendência que, por vezes, insiste em mais exigir do que oferecer.

Quanto possas, contribui com as ideias e sugestões que julgar oportunas visando enriquecer o programa de atividades propostas, atentando para o respeito ao que foi planejado e construído até o momento. Busca compreender, em especial, quando não haja possibilidade de aproveitamento imediato das proposições apresentadas, cuidando para que tais negativas, caso surjam, não se tornem desestímulo para novas contribuições ao programa de trabalho.

Para o trabalhador iniciante não podem faltar o espírito de equipe, a humildade para reconhecer as limitações e as falhas e, em especial, a vontade de aprender e se capacitar para se tornar, efetivamente, um colaborador na tarefa abraçada.

Àqueles que se encontram nas posições de liderança das equipes de trabalho, por sua vez, cabe a responsabilidade de esforço para que as diversas peças envolvidas formem um conjunto harmonioso, onde se aproveite de maneira especial o potencial de cada um.

Ao líder cabe zelar pelo trabalhador como flor delicada de seu jardim que requer conhecimento e cuidados especiais, pois cada elemento cresce e floresce em condições e tempos determinados e distintos. O olhar atento diminuirá as chances do surgimento e crescimento das ervas daninhas do ciúme, da competição, do desânimo ou do comodismo, capazes de comprometer todo o trabalho. A atenção e o estímulo para cada trabalhador, assim como o exemplo de dedicação e esforço servirão como mola propulsora ao estímulo constante.

Em qualquer das posições em que te encontres, atenta, sobretudo, de que fazes parte de um projeto grandioso em que o Arquiteto e Líder é Jesus; que és parte importante para a consecução da tarefa, mas que és, principalmente, o grande beneficiado pela oportunidade do trabalho: através dele te redimes das faltas do passado e semeias o teu futuro de venturas.

Não esqueças de que o planejamento maior procede do plano espiritual e que deves trabalhar em harmonia com ele. Que a tua vontade deve ser a de servir, da melhor maneira possível, para que o trabalho se realize a contento e conforme planejado. Nesse sentido, a busca contínua pelo autoaperfeiçoamento será o recurso que te garantirá a sintonia e o amparo dos benfeitores espirituais.

Amigo Evangelizador, observa que os objetos de trabalho que te são confiados, são os irmãos em retorno à jornada terrestre; que o período em que se encontram se caracteriza por fase especialmente delicada, cujas experiências resultarão na maior ou menor facilidade com que desenvolverão o seu programa reencarnatório.

Por fim, cabe ressaltar que o ferramental que se encontra em tuas mãos é tesouro divino que te chegou por vontade do Mestre e pelo esforço dos que te antecederam nas lides da Doutrina Espírita, e de que teus esforços devem, portanto, direcionar-se no sentido de cumprir a sua proposta de1 abrir os olhos e os ouvidos a todos, preparando o reino do bem que Jesus anunciou.

Alegra-te e jornadeia confiante porque Jesus segue à frente iluminando teus caminhos para que mais facilmente sigas Seus passos. Lembra-te de que, com Ele2 o jugo é suave e o fardo é leve.

 

Referências:

  1. KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 1974. pt. 3, cap. I, q. 627.
  1. BÍBLIA, N. T. João. Português. O novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Rio de Janeiro: Imprensa Bíblica Brasileira, 1966. cap. 11, vers. 30.
Assine a versão impressa
Leia também