Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2020 Número 1634 Ano 88

Cancioneiro de trincheira

agosto/2020

Em tempos de pandemia, a música tem servido de alento ao Espírito. Muitos cantores, em todo o mundo, individualmente ou em grupos, têm oferecido a sua voz para alentar corações, nesses dias de isolamento social e dores coletivas.

Em Curitiba, Liane Guariente vem brindando, todas as manhãs, amigos, companheiros e grupos espíritas com suas gravações. Cada manhã, uma música.

Além de cantora, professora, Mestre em Música pela Universidade Federal do Paraná, Liane é pesquisadora e divulgadora de canções de domínio público. Integra os projetos Música dos Povos, grupo Terra Sonora e Canções de Saudade. A regência do Coral de uma Casa Espírita a levou ao contato com a Doutrina, que abraçou, em 2010, vinculando-se a um grupo de estudos.

Em final de abril deste ano, em um estudo virtual de obras de Léon Denis, a temática girou em torno da prece, das vibrações que produz e saneia ambientes. Concluído o estudo, Liane cantou à capela Alguém cantando, de Caetano Veloso. Logo, a canção circulou entre os demais grupos virtuais da Casa Espírita, criando uma atmosfera de estímulo, alegria e gratidão.

Veio, então, o convite para que ela seguisse trabalhando todas as manhãs. Surgiu o Cancioneiro da Trincheira. A gravação é rudimentar, servindo-se do celular. Os ruídos externos fazem bordão aos cantares.

Confessou Liane: Tratei de adaptar a força da voz, suas imperfeições. É tempo de reclusão para os amigos, sem abraços, contato visual apenas por vídeo. Tempo de incertezas, de educação espiritual. Várias regiões do mundo têm em seu cancioneiro a temática moral como prioridade da composição para o canto. No Brasil, as canções privilegiam o cotidiano, os afazeres e as relações com a natureza e entre os humanos; descrevem intimidades, vicissitudes, dramas familiares, saudade.

O critério para escolha das canções foi, em primeiro lugar, priorizar o idioma nacional, bem como a identidade dos povos que residem em solo brasileiro, como agem e como desejam viver. Também se pensou em buscar, nas temáticas sobre o dia a dia, no campo e na cidade, mensagens positivas, em acordo mínimo com a Doutrina Espírita. Canções de domínio público, de compositores de várias regiões e épocas da História do Brasil puderam amanhecer no ouvido dos amigos e de seus familiares.

Algumas canções internacionais que integram a coleção vieram para expandir o trabalho, abordar questões globais, estender votos de fraternidade e vibrações de saúde. Já são mais de cem gravações caseiras, cantarolas de maneira singela. Há alguns temas autorais. Um deles, “Remando”, tem arranjo de Andrey Cechelero e é trilha sonora de um de seus vídeos.

Foto: Ari Almeida

Assine a versão impressa
Leia também