Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

Calvário de Libertação

novembro/2010

É uma monumental obra da mente privilegiada de Victor Hugo, filho de Bensançon, França, que, em sua última encarnação, na data de 26 de fevereiro de 1802, tornou-se o mais célebre escritor de todos os tempos em sua pátria. Seus livros percorrem, ainda hoje, a maioria dos países do nosso planeta.

Espírita convicto, após a morte, retornou pelos condutos abençoados da mediunidade para prosseguir em sua grandiosa missão de fazer luz nos caminhos humanos.

Dessa feita, com “Calvário de Libertação”, que nos traz o drama iniciado na Espanha, narra-nos as peripécias existenciais dos condes Dom Fernando de Alcalá e Dom Hidalgo Melanez, do bispo Dom Manoel de Santamaria e de outros componentes dessa dolorosa história que tem o condão de advertir aos incautos dos tempos que correm.

São 356 páginas, divididas em quatro partes.

A presença da médium Maria Leonor é marcante na extensão cármica do processo que agora ocorre, após dois séculos, na região sul de nossa nação. O resgate torna-se doloroso e difícil para os personagens que, desconhecendo as leis perfeitas do nosso Pai Celestial, enveredaram conscientemente no lodaçal de crimes de diversas naturezas.

“Nenhuma dor existe sem causa que a legitime.” Todavia, dor alguma se sobrepõe ao amor, que é a terapia preventiva e a única medicação razoável quão saneadora para os males que afligem o mundo.

A luz meridiana do Espiritismo faz-se presente sobre todos, convocando-os à mudança de rumo.

“Calvário de Libertação”, como o sugestivo título insinua, não é apenas mais um romance, é a descrição de lutas, de interesses subalternos nascidos de paixões incontroláveis, como tantos outros que se desdobram nos obscuros caminhos humanos.

Lê-la é enriquecer o próprio coração, prevenindo-se contra as tentações de todos os gêneros.

Espírito: Victor Hugo
Médium: Divaldo Pereira Franco
Editora: LEAL

Assine a versão impressa
Leia também