Jornal Mundo Espírita

Outubro de 2021 Número 1647 Ano 89
Trabalhadores do Bem Envie para um amigo Imprimir

Bittencourt Sampaio

agosto/2021 - Por Mary Ishiyama

Entre o êxtase e o assombro, notei que a estrela se transformava lentamente. Da nebulosa radiante alguém se destacou, nítido e reconhecível para mim.

 Era o magnânimo Bittencourt Sampaio, cuja expressão resplandecente constituía o que imagino num ser angélico.1

 Assim é descrito Francisco Leite de Bittencourt Sampaio, mais conhecido como Bittencourt Sampaio, pelo Espírito Irmão Jacob, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Francisco Leite de Bittencourt Sampaio nasceu em Laranjeiras, na então Província de Sergipe, em 1º de fevereiro de 1834, filho de Francisco Leite de Bittencourt Sampaio, de quem herdou o nome, e de Maria de Sant’Ana Leite Sampaio. Foi advogado, poeta, jornalista, político e espírita brasileiro.

Formou-se na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, hoje Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, turma de 1859. Foi autor da letra do Hino Acadêmico dessa instituição, A mocidade acadêmica, musicada por Carlos Gomes. A mesma dupla compôs um clássico da música popular brasileira, a modinha Quem sabe?, ainda hoje uma das obras brasileiras do século XIX mais executadas.

Colaborou com as revistas O Guaianá, A Legenda, Ensinos Literários, do Ateneu Paulistano, na Revista Mensal do Ensaio Filosófico Paulistano, no Correio Paulistano, A Revista Brasileira, O Cruzeiro, Gazeta da Tarde, entre outras.

Foi promotor público em Itabaiana e Laranjeiras, em 1860 – 1861. Advogou na corte do Rio de Janeiro, a partir de 1861. Como político, foi deputado de 1864 a 1870, tendo sido Presidente do Espírito Santo, nos anos 1867 a 1868. Era respeitado pela elevação, sinceridade e firmeza com que sustentava e defendia seus ideais políticos. Foi diretor da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, de 1889 a 1892.

Era tido como a alegria da casa, o iniciador de divertimentos úteis, de saraus literários e musicais. Simpático, traquinas como um colegial em hora de recreio, sempre com sua casaca azul de botões amarelos, chapéu branco, luvas e calçado parisiense.

É autor de diversas obras em prosa e verso. Foi considerado, por Sylvio Romero e João Ribeiro, o primeiro dos autores líricos brasileiros, logo depois de Gonçalves Dias.

Não se sabe quando aderiu ao Espiritismo. Sabe-se que, muito doente, acabou se consultando com um médium, que nada lhe perguntou sobre os seus sintomas, não o tocou, apenas lhe aplicou passes e indicou que lesse O livro dos Espíritos e O Evangelho segundo o Espiritismo, refletindo a respeito de seus conteúdos.

Em um primeiro momento, ele se sentiu atraído pelos fenômenos que presenciara, com a melhora havida, mas, como homem extremamente culto, ficou profundamente impressionado com o que lera, com o cunho moral que havia naquela doutrina.

Em agosto de 1873, vamos encontrá-lo atuando na diretoria do Grupo Confúcio, no Rio de Janeiro. Fundou, em 1876, a Sociedade de Estudos Espíritas Deus, Cristo e Caridade. Em 1880, Bittencourt e amigos fundaram o Grupo Espírita Fraternidade, mais tarde, o Grupo dos Humildes, que mudou seu nome para Grupo Ismael e se integrou à Federação Espírita Brasileira.

Bittencourt Sampaio desenvolveu tão bem suas tarefas junto ao Espiritismo que, como Espírito, no livro Transição planetária é apresentado como embaixador de Ismael, guia espiritual do Brasil.

Assina uma mensagem que assim inicia:

Irmãos queridos:

Guarde-nos Jesus na Sua paz e misericórdia.

As vossas preces alcançaram as regiões felizes, e o anjo benfeitor do Brasil enviou-nos, a fim de receberdes o seu apoio honroso, na bendita realização a que vos entregais.2

 Atuou como médium receitista, curando muitos doentes com remédios homeopáticos. Antônio Luís Saião, que adentrou a Doutrina Espírita, após ser curado por ele, declarou que Bittencourt dava remédios aos pobres desenganados pelos médicos, com tal êxito que as moléstias, as mais insignificantes como as mais complicadas, foram sempre combatidas com o mesmo esplêndido resultado, o que foi presenciado até por alguns médicos…6

Foi um grande orador. Sua voz enérgica, plena de conhecimento e suas ações carregadas de obras para com todos que cruzassem seu caminho, o fez digno de ser médium de Espíritos nobres que mandavam mensagens belas e instrutivas.

Grandes nomes estiveram sob sua tutela, como Aura Celeste, Antônio Luís Saião, Bezerra de Menezes e Guillon Ribeiro.

É seu coração poético, generoso e amante da Pátria que registrou:

Mesmo quando a grande nação brasileira mergulha em abismos de devassidão, de corrupção, de desrespeito aos códigos da justiça e da honradez, fase passageira do seu processo de evolução, Ismael, compassivo, intercede, junto a Jesus, em favor de todos, confiando nos reajustamentos que já se vêm operando com uma nova geração de mulheres e de homens de bem2

 

 

Referências:

  1. XAVIER, Francisco Cândido. Voltei. Pelo Espírito Irmão Jacob. Brasília: FEB, 1991. cap. 16.
  2. FRANCO, Divaldo Pereira. Transição planetária. Pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda. 2. ed. Salvador: Leal, 2010. cap. 20.
  3. https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Leite_de_Bittencourt_Sampaio
  4. Hino acadêmico Faculdade de Direito da USO – https://www.youtube.com/watch?v=wce4tYfXaoU
  5. https://www.febnet.org.br/ba/file/Pesquisa/Biografias/Bittencourt%20Sampaio.pdf
  6. http://personagensdoespiritismo.blogspot.com/2014/02/bittencourt-sampaio_20.html

 

Assine a versão impressa
Leia também