Jornal Mundo Espírita

Dezembro de 2018 Número 1613 Ano 86

Atravesse a rua

novembro/2018 - Por Cezar Braga Said

Hoje atravessei a rua e mudei de calçada no trajeto que faço, diariamente, de casa para o trabalho. Mas o que uma simples mudança de calçada pode trazer como novidade? Milhões de pessoas fazem isso todos os dias e esse movimento em nada altera o funcionamento do mundo e a dinâmica social.

Sim, é verdade. Se fazemos tal movimento no automatismo cotidiano de tantos outros hábitos, isso nada acrescentará de novo em nossas vidas. Porém, se estivermos atentos, uma simples mudança de calçada pode nos fazer enxergar o que antes estava oculto aos nossos olhos.

Podemos ver pessoas diferentes que fazem sempre aquele percurso. Ver de perto o que sempre esteve distante e a certa distância o que nos é habitualmente familiar.

O distanciamento do rotineiro e habitual pode nos revelar facetas, cores e ângulos que, ao serem percebidos, agregam não apenas novas informações, mas, possivelmente, mais sensibilidade.

Mudar de calçada pode representar a transformação no modo de olhar, uma alteração num ponto de vista, num comportamento. Pode ser o início de um novo jeito de caminhar, uma reorientação em nossos passos (Rm 12:2).

Quantas calçadas estão bem próximas e não conseguimos enxergar? Quantas outras até são vistas, mas não temos ânimo e coragem para ir até elas, deixando de lado a inércia e a preguiça que nos acompanham.

Ruas, calçadas, caminhos e travessias… Símbolos da viagem que fazemos para o nosso interior, alternando encontros e desencontros, idas e vindas, chegadas e partidas, descobertas que renovam as cores do dia e o sentido da própria vida. Desenham novas paisagens e pintam aquarelas em nossa alma.

Ouse atravessar a rua!

Faça algo novo: cumprimente, dialogue, cante, sorria, dance, fale, silencie, só não fique parado… Atravesse!

Permita-se levantar a cabeça, desenvolver a curiosidade ao olhar, aguçar a audição, o olfato, a atenção, a sensibilidade.

Tente, você vai se surpreender e de repente perceber que a outra calçada não está fora… mas dentro de você.

Assine a versão impressa
Leia também