Jornal Mundo Espírita

Janeiro de 2020 Número 1626 Ano 87

Aos caravaneiros do amor

julho/2006

Todos os dias, ao acordar, pela fresta da janela, contemplava a natureza como sendo a presença de Deus a me desejar bom-dia.

Os verdes e as flores pareciam gargalhadas de cores para felicitar meus dias. Procurava, então, expressar, em forma de sorriso, a minha alegria por ter Jesus como guia. Por isso, indicava-o para todos os que batiam em minha porta à procura de remédios. Para as dores físicas dava remédios, para as dores morais dava o Evangelho, o mais lindo poema de amor que Deus ofertou aos seus filhos, afastando-os da dor.

*Colônia de Hansenianos de Curupaití, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

 

Assine a versão impressa
Leia também