Jornal Mundo Espírita

Junho de 2020 Número 1631 Ano 88

A Vida é uma só

abril/2020 - Por Antônio Moris Cury

Toda informação tem a sua importância, a educação é muito importante e o conhecimento é muitíssimo importante.

Não por acaso, a veneranda Doutrina Espírita, em variadas passagens de suas obras básicas, sugere, aconselhando, que as leiamos e estudemos de modo continuado, cada vez mais, sempre, uma vez que só nos trará benefícios de variada ordem, a começar pelo fato de que o conhecimento que adquirirmos e consolidarmos nos pertence, verdadeiramente, não havendo traça que o consuma, ferrugem que o corroa nem ladrão que o roube.

E não podemos perder de vista, pois é da maior relevância, que o conhecimento adquirido e consolidado permanecerá conosco nesta e em futuras reencarnações, e até mesmo num futuro ainda bem longe e muito distante em que não precisemos mais reencarnar, ou seja, permanecerá conosco para todo o sempre, uma vez que o Espírito imortal e indestrutível, que é o verdadeiro ser, o ser pensante da Criação, é o arquivo da memória e viverá para sempre. Apenas para enfatizar: todos nós viveremos para sempre!

Ler (e estudar) é um hábito que pode ser adquirido, a qualquer momento, muito facilmente, por quem saiba ler. Além de importante, é saudável e deveras agradável. Basta começar para chegar-se a esta conclusão. A propósito, logo após a questão 685 de O Livro dos Espíritos, em comentário pessoal, o nosso eminente Allan Kardec afirmou: a educação é o conjunto dos hábitos adquiridos. Assim, se ainda não o temos, criemos o hábito de ler e estudar, continuamente, estupendo modo de avançar e compreender melhor tudo o que se passa em nossa existência – para dizer o mínimo.

A Vida é uma só!

E é mesmo, apenas que desdobrada em várias existências; a que estamos vivenciando agora aqui no planeta Terra é apenas uma delas.

Com a publicação de O Livro dos Espíritos, em 18 de abril de 1857, um sábado de primavera em Paris, França, o Espiritismo passou a ser registrado por escrito e neste livro, que constitui a sua obra fundamental, ficou provada e comprovada, de maneira clara, lógica e racional, a existência do Mundo Invisível, também chamado de Mundo Espírita ou de Mundo Espiritual, de onde proviemos e para onde todos regressaremos, cada um a seu tempo. Houve uma verdadeira revolução no conhecimento humano.

Comprovou-se que a Vida Verdadeira transcorre no Mundo Invisível e que aqui, no chamado planeta azul, estamos somente de passagem, ainda que por cem ou mais anos, especialmente para aprender, crescer, progredir intelectual e moralmente, avançar, procurar fazer sempre o Bem, iniciando pelo exercício da fraternidade, tratando-nos reciprocamente como irmãos, que efetivamente somos, porquanto somos filhos do mesmo Pai Celestial, do mesmo Pai Universal, que é Deus, a Inteligência Suprema, Causa primária de todas as coisas1.

Algumas pessoas não acreditam no que não veem e, por consequência, não acreditam no Mundo Invisível. É um direito que têm e que decorre de seu livre-arbítrio.

Entretanto, há coisas que não se veem, mas existem. O exemplo mais simples é o ar. O ar não se vê, mas existe, e até pode ser sentido quando uma brisa leve chega ao encontro do nosso rosto.

Há aproximadamente quinhentos anos, sequer se suspeitava da existência de micro-organismos, de seres infinitamente pequenos como passaram a ser chamados depois. Com a invenção do microscópio, no entanto, ficou provada e comprovada a sua existência. Eram invisíveis a olho nu, mas existiam, e provocavam inúmeros problemas, sobretudo os ligados à saúde dos seres humanos. Invisíveis, mas existentes.

As ondas de rádio e televisão não se veem, mas também existem e funcionam: ligado o aparelho receptor correspondente, capta-se a transmissão da emissora de rádio ou de televisão. E, além desses poucos, há um sem-número de exemplos.

Todos nós somos Espíritos ou Almas que, depois de criados por Deus, viveremos para sempre.

Agora, vivemos num pequeno planeta chamado Terra. A propósito, convém recordar o que disse Jesus, o Cristo: Há muitas moradas na casa de meu Pai.

A casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos que neles encarnam, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos2.

Há, portanto, a indicação irrecusável da existência de muitos mundos habitados no Universo [ou nos universos, para quem imagina e até admita a existência de outro ou outros. Se vier a ser comprovada cientificamente tal existência, não haverá dúvida: terá sido obra de Deus, causa primária ou primeira de todas as coisas].

Quando chegar o momento de nossa desencarnação, e ela chegará para todos, cada um no seu devido tempo, nosso corpo físico vai se decompor e se transformar ou será cremado, sim, mas o Espírito não morre, uma vez que é imortal e indestrutível, de tal modo que sai do corpo, mas não sai da Vida. Assim, retorna o Espírito para o Mundo Invisível, para o Mundo Espírita ou Mundo Espiritual, de onde proveio, a sua verdadeira Casa.

Em outra oportunidade, mais adiante, esse mesmo Espírito reencarnará em novo corpo físico, construído especialmente para ele, o que começa a ocorrer pela fecundação, ocasião em que se inicia a vinculação, e se conclui com o posterior nascimento com vida.

Ao contrário do que possa aparentar, não é difícil tal compreensão. Basta que comparemos a reencarnação [que literalmente significa entrar de novo na carne], por exemplo, com o trabalho de um ator de teatro ou de televisão. Ora seu personagem é um mocinho, ora é um vilão, ora é alguém cruel, ora é uma pessoa boa, ora é muito triste, ora é bastante alegre, ora é de uma bondade admirável etc.

Os personagens são diferentes? Sim, são muito diferentes. No entanto, o ator é o mesmo. Exatamente o mesmo. Simples assim.

Por estas rápidas pinceladas, é de todo conveniente que aproveitemos a informação doutrinária e leiamos e estudemos o assunto com a maior atenção, porque – sem qualquer traço de imposição – seguramente obteremos a convicção de que a Vida é uma só, desdobrada em várias existências.

Com a compreensão e a convicção, nossa vida na atual existência sofrerá enorme transformação, para melhor, visto que doravante procuraremos ser pessoas melhores, mais tolerantes, mais pacientes, mais compreensivas, mais agradáveis, capazes de enxergar no próximo um irmão e fazer a ele o que gostaríamos que ele nos fizesse, o que virá ao encontro de um dos objetivos do Espiritismo: o melhoramento geral do ser humano3.

E, como se não bastasse, para esta e tantas outras empreitadas positivas e edificantes, poderemos contar sempre com Jesus, Modelo e Guia da Humanidade, nosso Irmão mais velho, nosso Mestre, nosso querido Amigo e Companheiro de todas as horas, o Ser mais humilde e mais simples que já esteve na Terra e que dividiu a História da Humanidade.

 

Referências:

  1. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. pt. 1, cap. I, q. 1.
  2. O Evangelho segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2001. cap. III, item 2.
  3. Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos. Ano 1859, v. VII. São Paulo: EDICEL, 1999. Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas – Discurso do encerramento do ano social (1858-1859).
Assine a versão impressa
Leia também