Jornal Mundo Espírita

Março de 2019 Número 1616 Ano 86

A luz resplandece nas trevas

dezembro/2018

Para que possamos falar da Luz, esse elemento de busca comum que há em todos nós, teremos que ter conhecido e percebido o que seja a escuridão.

João, Evangelista, nos afirma que: A Luz resplandece nas trevas e as trevas não a compreenderam.

E por mais assustadoras que as trevas possam se mostrar, nada mais são do que a ausência da Luz.

Antes de mais nada, devemos nos permitir prestar atenção em que situação se encontra nosso íntimo.

Há paz suficiente, estamos bem equilibrados, algo muito intenso nos incomoda?

Posteriormente, fazer os primeiros movimentos de clareamento em tudo que esteja obscurecido pelo desconhecimento.

Nele estava a luz verdadeira que alumia a todo homem que vem ao mundo.2

Assenhorearmo-nos de tudo o que somos  é um bom início, seguido da análise do que sentimos.

Se conseguirmos tomar conhecimento de nosso entorno, nosso mundo de relações, seja ele familiar, profissional, social, religioso, ou mesmo só conosco mesmos, já teremos andado bem rumo ao conhecimento da Luz.

Mas, mais do que todo esse conjunto de atitudes, é essencial que saibamos o que é realmente a Luz que buscamos compreender!

Todas as vezes que esperarmos conseguir alcançar a sintonia com o Bem, e perceber os demais a nossa volta, iniciamos, mesmo que seja sem notar, um processo de percepção de nós mesmos, que tende a se ampliar, e que, em futuro próximo, nos servirá, principalmente, para sustentar nossa solidão.

Devemos buscar uma ligação bastante forte que possa nos unir à fonte de Luz ao Alto, para então poder sentir como é real a paz que se instala em nossos corações.

A solidão acaba, a dor diminui, a tristeza se modifica, a insegurança se transforma e, com muita disposição, passamos a entender que sozinhos ou não, quando aceitamos estar em sintonia com essa ainda desconhecida Luz, nossa vida passa a ser diferente e se nos aparece uma sensação de paz.

A medida que ela vai se aproximando de nosso coração, sentimos como que um calor morno e úmido, que vai nos envolvendo por completo, e, de um instante para outro, tudo sofre modificação.

A luz resplandece nas trevas!1

Clareiam-se as ideias, a força e a energia se fazem mais presentes, o coração se acalma e uma disposição para a alegria toma conta de nós!

E essa mesma Luz que iluminou nosso âmago, tem capacidade de nos sintonizar com toda a Criação, com todo o Universo, com toda a Natureza e com todos os demais irmãos.

Os emaranhados se desfazem, as diferenças se alinham, e como um único roteiro de Amor, ela preenche e harmoniza todos a tudo.

Esse, o poder da Luz! E essa Luz, chama-se Jesus!

Ele, o portador dela, modifica nossas trevas interiores e nos permite iluminar gradativamente tudo ao nosso redor, desde que estejamos convencidos de que a maior das trevas se desfaz, imediatamente, só com a suave presença dEle.

Ele que nos ensinou a jamais nos sentirmos sós, pois somos parte da Criação e por ela sustentada em vibração de amor.

Que mesmo que estejamos completamente sós frente a qualquer dimensão de nosso trabalho a fazer, jamais estaremos sozinhos, pois seremos sustentados e iluminados pela Luz do mundo!

Mesmo passados mais de dois mil anos, continuamos amando mais as trevas, por serem nossas obras más.

Continuamos mais familiarizados com a escuridão que impede a visão plena da Luz.

E mesmo Ele sentiu-se muito sozinho. Quando entre nós, percebia o quão distantes os corações de todos estavam dEle.

Mas não duvidou, nem desistiu, nos legando o ensinamento vivificador: Amai ao Pai sobre todas as coisas, e ao próximo como a vós mesmos3, estimulando nossa jornada interior de iluminação, sempre clareada pela luz que resplandece nas trevas.1

Caminhou ensinando, curando, modificando atitudes, auxiliando os menos favorecidos, jamais impondo nem mesmo reprovando o que encontrava em Seu caminho de instalação do Bem.

Foi, é, e sempre será a Luz mensageira do Amor, que se transformou em plena Luz, para iluminar toda a Humanidade.

Um novo Natal! Eis o símbolo perfeito para o nascer da Luz que resplandece nas trevas.

A Luz já nasceu. Já podemos entender essa Luz. Vamos agora vivenciar essa Luz!

 

Referências:

1 BÍBLIA, N. T. João. O novo testamento: português e inglês. Tradução de João Ferreira de Almeida. Campinas: Os Gideões Internacionais do Brasil, 1988. cap. 1, vers. 5.

2  Op. cit. João. cap. 1, vers. 9.

Op. cit. Mateus. cap. 22, vers. 37.

Assine a versão impressa
Leia também