Jornal Mundo Espírita

Abril de 2019 Número 1617 Ano 87

A Caravana da Fraternidade

abril/2019

Em 31 de outubro de 19501, Artur Lins de Vasconcellos Lopes, Carlos Jordão da Silva, Francisco Spinelli, Ary Casadio e Leopoldo Machado levantaram voo a Salvador, depois até o extremo Norte do país, visitando todas as capitais do Norte e Nordeste, exceção dos então quatro territórios.

Tinham como objetivos promover a maior aproximação dos espiritistas, visando o ideal de Unificação; a propaganda cultural do Espiritismo, no mundo profano; maior estímulo às obras de assistência social inspiradas pela Doutrina, levar ambientação doutrinária aos lares, uma vez que sempre preferiram hospedagem nos lares de confrades.

Passaram-se quase sete décadas, desde então e lembramos o esforço desses companheiros, ao tempo que recordamos os compromissos que nos cabem para o que se torna de excelente reflexão a mensagem mediúnica intitulada

 

Rumos para o futuro

 

Filhos da alma!

Abençoe-nos, Jesus, o Mestre de todos nós!

A jornada prossegue na direção da meta, que é o encontro da paz.

Sombras e acúleos tentando dificultar a marcha, enquanto os jornadeiros prosseguem com o espírito estoico, abnegados e confiantes.

Há sessenta anos [veja-se a data da recepção da mensagem], tudo era expectativa e, hoje, encontramo-nos diante da realidade.

Os trabalhadores da Caravana da Fraternidade, repetindo a façanha dos bandeirantes que se adentraram pelo País na busca de diamantes, realizaram o seu périplo, distribuindo o diamante da verdade por onde passaram.

Continuando a atividade no Mais Além, transformaram os companheiros encarnados em novos peregrinos da ensementação do Evangelho no solo ainda não preparado dos corações.  Resultaram as bênçãos que hoje fruímos, as alegrias de podermos contemplar a Doutrina  Espírita  no  lugar  a  que tem direito lentamente no concerto das nações.

Nada obstante, permanecem os desafios!

São estes os momentos graves definidores de rumos para o futuro. Não é mais possível retroceder! O que está planejado pelo Senhor e em plena execução seguirá o seu processo de materialização na Terra.

No entanto, é necessário prudência. Que o entusiasmo não se faça exagerado diante das conquistas logradas. O êxito de qualquer empreendimento somente pode ser considerado após concluído. E, enquanto estamos na sua execução, rondam-nos perigos, ameaças e armadilhas.

Viveis o momento significativo que precede a madrugada da Era Nova.

Antes de renascerdes no corpo físico, firmastes um documento perante os guias espirituais do Brasil, em particular, e da Humanidade, em geral, de serdes fiéis à Doutrina conforme apresentada por Allan Kardec, não permitindo que vos venhais conspurcar com as tentações do mundo ou deixar-vos penetrardes pelas trevas das ambições personalistas e dos idealismos fora do contexto do Evangelho.

Traçastes, nestes dias, planos vigorosos nas diferentes áreas de relevante importância da atualidade. Executai a programação com espírito de serviço e de abnegação, certos de que os vossos benfeitores no mundo espiritual continuarão convosco, sustentando-vos e resguardando-vos das hábeis ciladas dos infelizes das trevas…

Há muito por fazer…

Dilatam-se os horizontes e, na medida em que se desenvolvem as áreas de ação, multiplicam-se também  os  flancos  que  podem ser penetrados, caso não haja a vigilância indispensável.

Filhos da alma!

Se amanhece a madrugada de luz, também ainda existem sombras densas que tomam conta de outros  segmentos  da  sociedade, gerando  impedimentos  para  a propagação da vida, dos bens da vida, pelos interesses mesquinhos que  defluem  do  materialismo  e das expressões covardes da mentira e das paixões humanas.

Porfiai, mesmo quando aparentemente os nossos ideais não logrem êxito, aguardando o momento próprio para que  se materializem.

Jesus programou Sua viagem à Terra quase dois mil anos antes e, quase dois mil anos depois, enviou o Consolador para assegurar o êxito da Sua Mensagem no planeta que comanda.

Na condição de servos que somos de ambos os lados da vida, neste trabalho de libertação de consciências, a nós nos cabe atender os impositivos que dizem respeito à Obra de Amor que um dia triunfará em nosso planeta abençoado pela regeneração.

Exultemos todos, precatando-nos do mal que ainda se encontra em nosso próprio ser e confiantes em que o trabalho do Senhor, momentaneamente  colocado em nossas mãos, será realizado com abnegação e carinho! Avancemos, meus filhos, cheios de alegrias, na expectativa da vitória, da plenitude!

Vossos irmãos e amigos, os Espíritos-espíritas, aqui estamos convosco e avançaremos convosco até o glorioso momento de vossa libertação do corpo e da nossa glória estelar.

Muita Paz!

São os votos que formula o servidor humílimo e  paternal  de sempre,

Bezerra
Psicofonia de Divaldo Pereira Franco, no encerramento da
Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional da FEB,  em Brasília,  DF,
em 7 de novembro de 2010.

 Referência:

1.FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA/CONSELHO FEDERATIVO NACIONAL. Orientação aos Órgãos de Unificação. Rio de Janeiro: FEB, 2007. cap. X, item 2.

Assine a versão impressa
Leia também