Jornal Mundo Espírita

Abril de 2020 Número 1629 Ano 88

2º Movimento Você e a Paz em Amparo – SP

setembro/2014 - Por Júlio Zacarchenco

Teve início no dia 3 de agosto, bem cedo, na bela Praça Pádua Salles. Céu azul, dia ensolarado, temperatura agradável. O clima perfeito para a Caminhada pela Paz. Não demorou para a praça ficar tomada por pessoas de todas as idades, vestidas com a camiseta branca com o símbolo do Movimento; pessoas de Amparo, de outras cidades e de outros Estados. As atividades foram oficialmente abertas por Divaldo Pereira Franco, o idealizador e fundador do Movimento, que é realizado em mais de duzentas cidades brasileiras e quinze países. Divaldo Franco recordou-nos que a calamidade da guerra está presente na Humanidade desde remotos tempos e que os conflitos armados, como os que atualmente acompanhamos, têm-se intensificado porque as pessoas não têm se pacificado interiormente, ressaltando que a cura para as guerras e a violência do mundo está na transformação moral da criatura humana.

Ana Beira, representando a Química Ypê, organizadora e patrocinadora do evento, saudou o público presente. Após, uma equipe de profissionais de Educação Física realizou um animado e divertido aquecimento com o público, para a Caminhada ter o seu início.  As ruas da bonita cidade ficaram repletas por pessoas de todas as idades, famílias, que carregavam balões brancos.

Durante toda a manhã, foram distribuídas frutas e água, mudas de ipê e flores; diversos serviços profissionais foram disponibilizados à população, como corte de cabelo, orientação jurídica, de saúde e outros. Várias associações civis e sociais estavam presentes, como o Lions, o Rotary, Grupo de Escoteiros.

Após o dia de atividades recreativas e sociais, milhares de pessoas reuniram-se novamente na Praça Pádua Salles para a apoteose do Movimento Você e a Paz, que iniciou pontualmente às 18h. Presentes autoridades políticas, representantes de organizações sociais e personalidades de destaque, que se uniram ao povo, que lotou o espaço público para ouvir a mensagem pacificadora.

A internacionalmente premiada Orquestra Bachiana, conduzida pelo maestro João Carlos Martins, realizou emocionante concerto, com a participação especial do jovem tenor Jean William, levando o público às lágrimas. Sucessos do repertório erudito e popular foram executados. O maestro falou brevemente do seu trabalho de divulgar a música erudita no Brasil, inclusive através da formação de centenas de orquestras em todos os Estados brasileiros, uma magnífica iniciativa em prol da cultura e da paz em nosso país. Ele também fez uma homenagem ao grande maestro da cidade de Amparo, Georges Henry, que, com os seus noventa e cinco anos de idade, estava presente para, merecidamente, ser um dos homenageados com o prêmio Você e a Paz, em razão de seu trabalho de democratização da música erudita no Brasil.

Para falar a respeito da Paz, apresentaram-se, nesta ordem, o Bispo diocesano da cidade, Dom Pedro Carlos Cipolini; o Pastor José Lima, Ministro da Assembleia de Deus de Amparo e, concluindo as reflexões da noite, Divaldo Pereira Franco,  que narrou a comovente estória de uma jovem armênia cuja família fora assassinada pelos turcos otomanos, sendo escravizada e sexualmente abusada por um dos líderes do exército turco. Divaldo descreveu a saga dessa jovem, desde o tenebroso massacre de sua família, os dias de horror sofridos no cativeiro, sua fuga, a reconstrução de sua vida, na Turquia, despertando para o ideal de servir e ajudar o próximo, até o reencontro com o seu algoz, no exercício de sua profissão, para ofertar-lhe o perdão radical.

O Movimento Você e a Paz homenageou vários cidadãos da cidade de Amparo cujas vidas têm sido dedicadas à construção de uma sociedade mais justa, feliz e pacífica.

Encerrando a cerimônia, a cantora Priscila Beira apresentou a canção-tema do Movimento, Paz pela Paz, de autoria do compositor Nando Cordel, enquanto uma chuva de pétalas de rosas caía sobre todos.

A mensagem final da noite foi a de que a paz no mundo é possível ser conquistada, necessitando para isso que cada um dê um sentido psicológico profundo à existência, elegendo o Amor, conforme nos foi proposto por Jesus, como base de conduta, em qualquer lugar e em qualquer circunstância. Amor. Perdão. Paz!

Fotos: Jorge Moehlecke

Assine a versão impressa
Leia também